terça-feira, 20 de novembro de 2012

Dia da Consciência Negra, sim!

Por Edilson Silva
 
 
Hoje, 20 de novembro, lembramos a Imortalidade de Zumbi dos Palmares. Foi num 20 de novembro que ele tombou em combate em defesa da liberdade e da comunidade dos quilombos. O povo brasileiro lhe faz uma bonita e necessária homenagem, transformando esta data no Dia da Consciência Negra.
O movimento negro organizado no Brasil estende a data para todo o mês de novembro, fazendo deste o Mês da Consciência Negra, em que se busca trazer à superfície da sociedade a problemática da questão racial na história do Brasil – como o episódio histórico da Revolta da Chibata, num 22 de novembro de 1910, liderada pelo marinheiro João Cândido -, e também sobre as desigualdades e discriminações que ainda persistem na sociedade brasileira. É dispensável trazer aqui as fartas estatísticas que desnudam esta realidade.
Todos os anos, porém, como numa claque mecânica, há os que insistem no clichê: “e porque não tem também o Dia da Consciência Branca?”. Não raro, estes são os mesmos que no Dia Internacional da Mulher questionam sobre o Dia do Homem; no dia do Orgulho LGBT questionam sobre o Dia do Orgulho Heterossexual. A estes, sempre respondemos que estas datas se colocam como momentos de reflexão e atenção para uma opressão muito real sobre estas populações.
Dia desses, para minha surpresa, me deparei com um “amigo” de redes sociais, que critica a organização de populações historicamente oprimidas, reclamando do “povo do sul-sudeste” que discrimina o nordeste e os nordestinos. Não perdi a oportunidade. Em tom irônico lhe disse que isto era invenção da cabeça dele e que não existia este negócio de pessoas e grupos no sul-sudeste com sentimentos e práticas discriminatórias e xenófobas com o nordeste. Num instante os papéis se inverteram e ele passou a defender que existia discriminação sim.
Opressões, discriminações, violências simbólicas, psicológicas e físicas são praticadas sim, e temos que incentivar que estas populações que sofrem estas violências se auto-organizem, criem visibilidade para suas causas e coloquem-nas na pauta dos problemas a serem resolvidos pela coletividade. Por isso, saudemos todos hoje o Dia da Consciência Negra, em favor da harmonia entre os povos, em favor da tolerância e da convivência entre todas as culturas e do respeito profundo aos direitos humanos de cada indivíduo que conosco convive, direta ou indiretamente, neste mundo.
Presidente do PSOL-PE e ativista das causas da população afrodescendente
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário