sexta-feira, 24 de setembro de 2010

NOTA DA COORDENAÇÃO DE CAMPANHA DE EDILSON SILVA

Eduardo Campos foge da verdade

Durante debate entre os candidatos ao governo de Pernambuco, realizado no dia de ontem, 23 de setembro, estabeleceu-se uma polêmica em torno do tema saúde pública no Estado. O candidato Edilson Silva, a exemplo do que já havia feito em debate anterior, denunciou a grave situação na rede pública estadual, que no atual governo (4 anos) deverá atingir a impressionante marca de 12 mil óbitos por falta de UTIs.


O governador-candidato, Eduardo Campos, insinuou que o candidato Edilson Silva faltava com a verdade em relação aos dados apresentados. De pronto, Edilson Silva desafiou o governador-candidato a comparecer à maior unidade de emergência do Estado, Hospital da Restauração, para que um pleito já feito administrativamente e judicialmente fosse concretizado: a abertura do livro de óbitos. Dessa forma, a sociedade pernambucana poderia, no universo da maior emergência pública do Estado, ter acesso a dados fiéis, estabelecendo assim a verdade.


Na manhã de hoje, pontualmente às 09 horas, o candidato Edilson Silva encontrava-se na portaria do Hospital da Restauração. Setores da imprensa também compareceram. Infelizmente, Eduardo Campos não compareceu.


Assim, o governador-candidato dá provas de desrespeito não com a candidatura do PSOL, mas com a sociedade pernambucana. A justificativa de falta de agenda é mais uma desculpa inaceitável, pois se o governador tivesse interesse na verdade poderia nomear um assessor, ou mesmo um diretor do Hospital, para nos acompanhar e abrir o livro de óbitos. Nem a isso o governador-candidato se dignou. Pelo contrário, destacou figuras sombrias, desconfiadas, que não conseguiam esconder sua função de arapongagem, para seguir e talvez até intimidar o candidato Edilson Silva e sua comitiva.


Deste episódio fica a certeza de que os dados apresentados pela candidatura de Edilson Silva são verdadeiros, e que as propagandas do governo e do seu candidato são uma fraude. Cerca de 12 mil óbitos em 4 anos, somente por falta de UTIs, é um genocídio, que somados a cerca de 17 mil homicídios, também em 4 anos, dão mostra de um estado muito distante das peças publicitárias do governo, na verdade um Estado de barbárie acontece em Pernambuco.


A candidatura de Edilson Silva reafirma neste processo todo o compromisso com a defesa da saúde pública de qualidade: controle social sobre a saúde pública; transparência real na gestão; qualificação e ampliação dos PSFs; plano estadual de saneamento básico; defesa do sistema SUS; fim das OS na saúde; defesa da Emenda 29 que garante mais verbas federais para a saúde pública; concurso público e carreira forte na área de saúde.


Recife, 24 de setembro de 2010


Coordenação da candidatura de Edilson Silva ao governo de Pernambuco

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Por que Dilma Roussef correu do Nordeste?

Por Edilson Silva

Numa iniciativa inovadora e que atende aos melhores interesses dos eleitores, a TV Jornal de Pernambuco, em rede com o SBT, está promovendo um grande debate entre os presidenciáveis para discutir temas relacionados à região nordeste do país. O debate será transmitido por todas as afiliadas do SBT na região, abrangendo um público estimado em 40 milhões.


Plínio, Serra e Marina confirmaram presença. Dilma, não. Uma brutal contradição. Pois não é no nordeste que a candidata petista apresenta sua vitrine de um novo Brasil que se desenha sob o governo Lula? Não é em Pernambuco, estado onde ocorrerá o debate, que a candidata Dilma parece vir dia sim, dia não, para inaugurar supostas obras? Por que então não vir ao debate, para encurralar seus adversários?


A resposta passa por vários fatores. Um deles é a prática covarde e desrespeitosa com os eleitores por parte daqueles e daquelas que, em estando em situação mais confortável em pesquisas, viram as costas para o debate sério e cuidam única e exclusivamente do seu famigerado marketing, em que os eleitores são convidados a imbecilizarem-se, participando da eleição como um consumidor desinformado.


Mas não é só isso. Dilma perderia vindo ao debate, pois ela teria que se confrontar com o nordeste real. Como explicar a falta criminosa de saneamento básico na região? O Minha Casa Minha Vida que não sai do papel? O caos na saúde pública? Os índices alarmantes de homicídios? Como iria explicar a epidemia de crack que tomou conta do país e do nordeste em particular sob seu governo? A epidemia de dengue que voltou?


Como justificar que o estaleiro que tanto passa na televisão existe sobre a devastação dos nossos mangues e que os seus trabalhadores vivem sob condições de super-exploração, semelhantes aos padrões chineses? Como explicar que a SUDENE, que seu governo disse que reabriu, continua lacrada, uma mera peça de marketing? Como falar da refinaria cujas obras sequer passaram da terraplanagem?


Dilma teria que explicar mais. Como falar em privilegio da região nordeste em seu governo se as duas maiores obras do governo federal no nordeste, a Transposição e a Transnordestina, juntas, estão orçadas em cerca de R$ 10 bilhões, o que representa 1/4 dos investimentos numa única obra no sudeste, o Trem Bala, que está orçado próximo de R$ 40 bilhões?


Ainda sobre as principais obras, como ela explicaria que um contrato de R$ 5 bilhões foi feito sem licitação, para favorecer uma concessionária privada inadimplente com o Estado, para construir a ferrovia Transnordestina? E como explicar que as obras de transposição das águas do Rio São Francisco estão sendo feitas sem a realização das obras de revitalização do rio, um compromisso do governo diante do clamor da sociedade para manter o Velho Chico vivo?


É, pensando bem, Dilma tinha motivos para correr de um debate sério sobre o Nordeste. O Bolsa-família é bom, mas insuficiente quando se pretende discutir a construção de um presente e um futuro digno para o nosso povo.

Presidente do PSOL-PE e candidato ao governo de Pernambuco

sábado, 18 de setembro de 2010

Debate sobre LGBTT na Metrópole

Estivemos na boate Metrópole no último dia 17/09, em debate realizado pela ONG Leões do Norte. O Fórum LGBTT também estava na organização. Aproveitamos a oportunidade para colocar à comunidade LGBTT nossos compromissos contra a homofobia, pela união civil de pessoas do mesmo sexo, mas também colocamos a importância do movimento enxergar além do universo LGBTT, preocupando-se, por exemplo, com o orçamento público, que hoje é monopolizado pelos bancos e que, por isso, inviabiliza a concretização de políticas públicas massivas em atenção à população LGBTT.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Os dados da agiotagem oficial no Brasil

Veja ao lado o gráfico com o Orçamento Geral da União executado em 2009. Veja os investimentos em saúde, educação, saneamento e segurança, por exemplo. Veja os gastos com juros e amortização da dívida pública. Esta sangria do dinheiro público, dos impostos pagos pela sociedade, precisa acabar. Auditoria nesta dívida, já!
Clique na imagem para ampliar.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

CLIP EDILSON 50

Debate sobre saúde no Comitê Ponto 50

Nesta quinta-feira o Comitê Ponto 50 recebe o médico e sindicalista Fernando Jordão, ex-presidente do SIMEPE, atual Secretário Geral da entidade e Secretário Nacional de Relações Trabalhistas da FENAM (Federação Nacional dos Médicos). Fernando Jordão vai debater conosco o tema saúde pública em Pernambuco. Questões como gestão de UPAs e novos hospitais, caos na emergências, situação do Controle Social na saúde, dentre outros temas estarão na pauta. Mais um debate imperdível promovido pelo nosso comitê. Em meio e após o debate sempre tem uns comes e bebes. Todos estão convidados!

Edilson na Rádio Olinda

Terça-feira, 14/09, foi a vez da Rádio Olinda AM entrevistar Edilson Silva, no programa do Ciro Bezerra. O antenado Pierre Lucena, do blog Acerto de Contas, também foi um dos entrevistadores.

Entrevista na Folha FM

Edilson esteve segunda-feira, 13/09, na Rádio Folha FM, sendo entrevistado pela equipe de jornalistas da Folha de Pernambuco. A entrevista foi transmitida para todo o estado através de rede de rádios da Folha.

Agenda da semana de Edilson 50

Segunda-Feira, 13/09
11h – Entrevista à Rádio Folha FM
14h – Entrevista à Rede Globo
18h – Reunião de Coordenação de Campanha
19h – Reunião do Conselho Político da Campanha
Terça-Feira, 14/09
08h – Entrevista à Rádio Olinda AM
19h – Gravação de Guia de TV e Rádio
Quarta-Feira, 15/09
12h – Entrevista à TV Tribuna – Cotidiano
14h – Debate entre candidatos no DCE da UPE
19h – Debate na UNICAP
Quinta-Feira, 16/09
11h – Entrevista à Rádio Cultura de Palmares
19h – Debate no Comitê sobre Saúde Pública
Sexta-Feira, 17/09
18h – Debate na boate Metrópole
Sábado, 18/09
Agenda à confirmar
Domingo, 19/08
Agenda com Plínio de Arruda Sampaio

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Parada da diversidade e políticos fantasiados

Edilson na Parada da Diversidade 2010


Por Edilson Silva


Nossa candidatura esteve na Parada da Diversidade, na orla de Boa Viagem. Levamos alguns panfletos, nossas idéias e nossa coragem de dialogar cara a cara com a população. Fomos lá fazer campanha eleitoral sim, pedir votos para o projeto de organização social que defendemos.
No panfletinho monocromático que distribuímos, rodado numa máquina fotocopiadora, colocamos os nossos compromissos com quatro pontos que achamos fundamentais neste âmbito: a) defesa de um estado laico; b) apoio integral ao PNDH3 (Programa Nacional de Direitos Humanos); c) defesa da união civil entre pessoas do mesmo sexo; e d) criminalização da homofobia.
Estes quatro pontos giram em torno de algo que em nossa visão deve ser um princípio intocável: todos os cidadãos e cidadãs, de qualquer etnia, idade, região do país, gênero, orientação sexual, de qualquer religião ou outra característica particular que se apresente, deve ter seus direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais plenamente respeitados e o estado deve ser o guardião jurídico na defesa desses direitos.
Assim que chegamos à orla, no entanto, notamos uma imensidão de bandeiras de partidos e políticos, todos “apoiando” a Parada da Diversidade. Do alto de um enorme trio elétrico, um dos organizadores chamava a população a votar nos candidatos comprometidos com as reivindicações do movimento.
Tudo muito bom, não fosse o fato de muitos dos políticos e partidos que estavam ali “apoiando” a parada da diversidade tratarem a maior manifestação política da população LGBTT no estado como uma tarde de carnaval, um momento de fantasia, e mais uma oportunidade de amealhar votos. Somente.
Alguns poucos exemplos são suficientes para vermos as contradições. Estão contidos no PNDH3 (Programa Nacional de Direitos Humanos) importantes avanços em relação à população LGBTT, fruto inclusive da 1ª Conferência Nacional de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais, realizada em 2008. Desde o final de 2009, há um decreto do governo federal que aguarda a adesão do governo Eduardo Campos a este programa e até agora nada. No entanto, havia farto material do governador-candidato na Parada da Diversidade defendendo a diversidade. Porque até agora não aderiu ao PNDH3, então?
Outra forte contradição: em 2008 o governo brasileiro celebrou acordo com o Vaticano, aprovado no Congresso Nacional, dando largos passos para trás na consolidação do Estado brasileiro como uma instituição laica. A partir deste acordo, dentre outros aspectos, o ensino dos dogmas católicos foram reinseridos formalmente na educação pública.
Para piorar o acordo, a bancada evangélica barganhou os mesmos direitos que a igreja católica, e tanto o governo quanto a sua bancada no Congresso Nacional cederam a favor deste absurdo. Um brutal retrocesso que pode ter incidência cultural de profundidade contra os direitos de milhões de brasileiros e brasileiras. Somente a bancada do PSOL no Congresso fechou questão contra este acordo.
Então, a população LGBTT, em tempos eleitorais, recebe a adesão de políticos que “vestem” a fantasia de apoio somente em dias de festa e na discussão de temas do varejo da política, porém, nos temas de grosso calibre, que estruturam um estado democrático de direito para todos os cidadãos e cidadãs, fazem alianças com o que existe de mais conservador na sociedade.


Presidente do PSOL-PE e candidato ao governo do Estado

sábado, 11 de setembro de 2010

Edilson na Parada da Diversidade

Neste domingo nossa candidatura estará na Parada da Diversidade em Recife (Boa Viagem). A partir das 10h. Todos e todas lá!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Candidatura debate fontes energéticas

Nesta quinta-feira o debate no comitê Ponto 50 foi com o físico e professor da UFPE, Heitor Scalambrini. Debatemos a situação da matriz energética no planeta, no Brasil e em Pernambuco. Heitor fez uma excepcional exposição usando recursos do data-show, colocando a importância da diversificação nas formas de produção de energia elétrica e combatendo o mito de que o Brasil precisa ofertar sempre mais energia elétrica na medida em que há crescimento do PIB. Defensor de fontes de energia limpas e renováveis, Heitor foi enfático ao combater a instação de usinas nucleares no Brasil e especialmente em Pernambuco, onde fontes renováveis, como a solar e eólica, são abundantes. Após o debate, música e uns comes e bebes. Muito bom! 

Debate na AESO


No dia 09/09 Edilson Silva participou de debate na AESO - Associação de Ensino Superior de Olinda, promovido pelos estudantes da área de comunicação. Foram duas horas de intenso debate, com sabatina de Pierre Lucena, do blog Acerto de Contas e Diogo, da Folha de Pernambuco, e perguntas vindas da plateia de estudantes da faculdade. Muito bom o formato do debate. Parabéns a toda a equipe que organizou o evento. 

Edilson em debate na UFRPE

No dia 08/09 Edilson Silva participou de debate entre candidatos ao governo do estado promovido pela UJC - União da Juventude Comunista e pela FEAB - Federação de Estudantes de Agronomia. Eduardo Campos e Jarbas Vasconcelos foram os únicos a não comparecerem ao debate. Edilson lembrou que há quatro anos Jarbas se negou a ir ao debate e que Eduardo compareceu. Hoje, ambos fugiram do debate. Parabéns à UJC e à FEAB pela iniciativa.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

PSOL no Grito dos Excluídos

Parte da turma do PSOL e de nossa candidatura no Grito dos Excluídos. Apesar da maioria governista na atividade, divulgamos bastante material do Plínio e de Edilson 50, defendendo as demandas da maioria da população.

Edilson no SINDUSCON-PE

No último dia 02/09 nossa candidatura participou de debate no SINDUSCON-PE (Sindicato da Indústria da Construção Civil de Pernambuco). Apresentamos nossa visão socialista sobre a política econômica patrocinada hoje pelo governo federal, alertando que Estado deve priorizar políticas públicas de habitação popular e saneamento básico, dentre outras, em detrimento do atendimento às demandas da agiotagem do sistema finenceiro. Foi boa a receptividade á nossa candidatura.

Edilson na Calheta FM

Estivemos hoje pela manhã na rádio comunitária Calheta FM, no Cabo de Santo Agostinho, no programa de Eli José, o popular Batata. Praticamente 1 hora de bom debate com o ancora e seus ouvintes. As rádios comunitárias recebem de nossa candidatura um carinho especial. Na foto acima, Edilson com Batata após a entrevista.

Grito dos Excluídos endereçado a quem?

Por Edilson Silva

Participamos nesta terça-feira, 07/09, de mais uma edição do Grito dos Excluídos. Acompanhamos esta iniciativa desde seu início, ainda durante o governo FHC. Lá se vão 15 anos. O Grito nasceu como uma forma de denunciar a situação grave de parcela significativa da população, que sofre todas as formas de exclusão. As denúncias feitas no Grito dos Excluídos sempre vieram carregadas de propostas alternativas vindas de setores sociais e políticos e sempre foi comum também a identificação dos responsáveis pela situação de exclusão em que vivem estas populações.


O Brasil e Pernambuco, assim como a região metropolitana do Recife, vivem uma situação no mínimo curiosa. O Brasil é governado há oito anos por uma coalizão liderada pelo PT. O governo do estado está há praticamente 4 anos nas mãos de uma coalizão que envolve forças supostamente de esquerda. As prefeituras das principais cidades da região metropolitana estão sendo governadas há mais de duas gestões pelo PT e PC do B.


Ou seja, temos uma configuração de poder que deveria, em tese, pelo discurso e pela retórica, dialogar minimamente com as demandas apresentadas no Grito dos Excluídos. Mas não, o que vemos hoje são as mesmas demandas: juventude desamparada, desemprego, violência, caos no sistema carcerário, nada de reforma agrária, nada de reforma urbana, sem-teto aumentando dia após dia, as mesmas demandas da saúde de anos e anos atrás, as mesmas demandas na área de comunicação, de direitos humanos, as mesmas demandas ambientais.


Neste cenário, o Grito dos Excluídos é endereçado a quem? Quem são os responsáveis pelas mazelas sociais de hoje? Quem são os que patrocinam a exclusão? Quem são os que, nos vários níveis de governo, não desenvolvem políticas públicas em prol dos excluídos? Onde estão os cartazes e caricaturas de FHC de outros tempos? Quem deveria hoje, no Grito dos Excluídos, estar no lugar antes ocupando por Jarbas Vasconcelos?


Nossa candidatura estava no Grito hoje fazendo o que fazemos há 15 anos. Denunciando a exclusão, os responsáveis pela exclusão e sugerindo alternativas. Outros também estavam, como o MTST, que tinha uma faixa denunciando a traição do prefeito João da Costa. Mas, infelizmente, o que predominou foi um grito endereçado aos céus, misturado com o tremular de incontáveis bandeiras e materiais de campanha de partidos e políticos que governam o país, o estado e importantes municípios, fazendo em essência o que outrora a velha direita sempre fez.


Esperamos, e lutamos, para que o Grito dos Excluídos não seja transformado numa mera peça decorativa ou data festiva no calendário de movimentos sociais e populares, como já aconteceu com outras manifestações genuinamente de protesto, mas que foram convertidas gradativamente numa espécie de disneylândia de descontentes, abandonando sua intenção real de provocar e desafiar o poder estabelecido a atender as demandas mais sentidas do povo.


Presidente do PSOL-PE e candidato ao governo do Estado

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Agenda da Semana

Segunda-Feira, 06/09
12h – Almoço com diretoria do SINDUSCON-PE
14H - Reunião da coordenação de campanha
Terça-Feira, 07/09
09h – Participação no Grito dos Excluídos
Quarta-Feira, 08/09
11h – Entrevista à Rádio Calhetas (Cabo Sto Agostinho)
12h – Almoço com apoiadores e candidatos do Cabo de Sto Agostinho
17h – Debate entre candidatos ao governo na UFRPE
Quinta-Feira, 09/09
11h – Debate com estudantes da AESO (Olinda)
16h – Atividade em Palmares (Mata Sul)
Sexta-Feira, 10/09
11h – Debate com membros da coordenação do FERU (Fórum de Ref. Urbana)
Sábado, 11/09
Atividade programada em Araripina
Domingo, 12/08
Atividade programada em Serra Talhada e Ouricuri

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Discriminação da impressa passa dos limites

Nota da candidatura de Edilson Silva

Diferentemente dos veículos de comunicação que precisam de concessão pública para funcionar (rádios e TVs), e que por isso obedecem a mínimas regras jurídicas no equilíbrio da cobertura das eleições, a imprensa escrita não se vê obrigada, por norma, a respeitar a pluralidade da democracia. O espaço ocupado por políticos nestes veículos pode limitar-se a anúncios pagos e à cobertura apenas dos preferidos das redações. Assim, a democracia precisa contar com um mínimo de espírito público dos responsáveis por estes veículos.
   Nossa candidatura atravessa neste momento um boicote por parte da imprensa escrita. Temos tido agenda cheia praticamente todos os dias, eventos importantes com entidades, personalidades, movimentos. Nossa assessoria manda todas as manhãs e tardes nossa agenda e posicionamentos da candidatura sobre temas eleitorais. A cobertura tem se resumido, em regra, ao vazio, e quando muito, diluída no mar dos “pequenos”, matérias genéricas, raramente uma foto, com uma ou duas linhas.
   Há poucos dias nosso candidato ao governo precisou ligar pessoalmente para os chefes de redação dos três maiores jornais impressos para perguntar-lhes o porquê de não darem uma única linha para as nossas denúncias de mais de 500 óbitos no Hospital da Restauração, denúncias que levaram inclusive a uma demanda judicial. Só assim conseguimos alguma atenção.
   Chegamos hoje, 03/09, à sexta-feira de uma semana em que não tivemos por parte desta imprensa nenhuma cobertura. Estranhamente, candidatos que nas pesquisas têm menos intenção de votos que nossa candidatura apareceram. Ou seja, o critério não passa pelas pesquisas.
   Será então que o critério é a importância dos eventos que o candidato participa? Ontem no início da tarde reunimos com a direção do Sindicato dos Servidores da UPE. Às 15 horas participamos de uma sabatina na OAB. Na mesa estavam o presidente da Ordem, o presidente do Sindicato dos Médicos de Pernambuco e o vice Presidente do Sindicato dos Jornalistas. Às 19 horas nosso comitê recebeu a visita do jornalista Ivan Moraes para debater comunicação. Ou seja, não se trata de uma agenda irrelevante.
   Todas essas atividades foram avisadas com antecedência para a imprensa, por e-mail e telefone, mas absolutamente nenhum repórter apareceu. No final da tarde mandamos um apanhado da atividade na OAB, inclusive com fotografia produzida pela nossa equipe. Após mandarmos por e-mail, ligamos para as redações e solicitamos um mínimo de atenção nas páginas da cobertura eleitoral. No dia de hoje, abrimos as páginas e absolutamente nenhuma linha.
   Vamos continuar insistindo para que a imprensa escrita respeite minimamente os eleitores e o processo eleitoral como um todo. Continuaremos acreditando que é possível que esses editores, independentemente de norma jurídica que os obriguem, tratem seus próprios veículos de comunicação como ferramentas de informação imparcial, voltadas com honestidade para o esclarecimento dos seus leitores.

Recife, 03 de setembro de 2010


Coordenação da Campanha do PSOL em Pernambuco

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

AGENDA DO DIA!

Quinta-Feira, 02/09

12h – Almoço com equipe de comunicação via internet
13h - Reunião com dirigentes do SINDUPE
15h – Debate na OAB
19h – Debate aberto no comitê com o jornalista Ivan Moraes sobre comunicação em Pernambuco