quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Oposição no Recife tem que ter coragem, diálogo sem preconceito e mobilização social

Por Edilson Silva



O resultado das eleições no Recife - e porque não dizer em Pernambuco, mostra um cenário político perigoso se desenhando. De olho apenas em obras – de pertinências questionáveis; em números e estatísticas – que não raro revelam apenas meias verdades, vai se permitindo o soerguimento de uma gigantesca obra imaterial na terra de Frei Caneca, perceptível apenas aos mais atentos: a desconstrução da República e consequentemente o retrocesso democrático.

A covardia política, como sempre, é a pedra de toque que embala esta grande obra imaterial. O adesismo e o fisiologismo mais baratos tentam se esconder por detrás de discursos supostamente “realistas”. Ouvi de um petista amigo, resignado, que não há como vencer a força do governador Eduardo Campos, buscando assim justificar a adesão cabisbaixa que se avizinha à base governista do futuro prefeito do Recife. Respondi a ele que não se trata de vencer, mas sim de resistir, de lutar, de não permitir o consenso da submissão e buscar na dialética dos corpos políticos a síntese possível, que sempre será melhor que a supremacia de uma única tese. Já pensaram se Arraes, Brizola e outras lideranças do campo democrático tivessem em seu tempo escolhido o caminho de menor resistência e batido continência aos golpistas de 1964?

A mesma resposta que dei ao meu amigo petista aproveito para deixar neste texto ao Eduardo Granja, também petista, também resignado, mas que ousa vir a público criticar os que politicamente não se acovardam, buscando justificar da pior forma possível sua previsível opção pela capitulação aos que lhe venceram. Espero, sinceramente, que mude de atitude.

O espírito republicano e suas instituições, estatais e culturais, a democracia, parecem-me como um músculo. Se não exercitamos, atrofia. E às vezes é preciso ter coragem para exercitar esta musculatura, a mesma coragem que tiveram não só Arraes e Brizola, mas antes deles Frei Caneca, já citado neste texto, e depois deles Dom Helder Câmara, Gregório Bezerra e tantos outros que viveram aqui em Recife, e que não dedicaram suas biografias a construir fortes, portos, refinarias ou alianças políticas sem escrúpulos, mas a construir o edifício do bom Direito, da Justiça, da Liberdade, da Igualdade, do Humanismo.

Os obstáculos que outros enfrentaram para nos deixar o legado republicano e democrático que temos hoje eram imensamente maiores que aqueles que precisamos enfrentar hoje, mas mesmo assim anda muito difícil encontrar sujeitos que se disponham a honrar este legado e fazer mera oposição, dentro dos marcos democráticos e legais, aos que se encastelam no Poder Executivo, vide o que acontece vergonhosamente na Assembleia Legislativa de Pernambuco e o que está prestes a acontecer na Câmara Municipal do Recife.

Na busca desses sujeitos e da articulação entre eles para fortalecer trincheiras pontuais de resistência contra o hegemonismo ilegítimo e a sempre burra unanimidade política – que sempre descamba para totalitarismos, estamos ousando ser um ponto de intersecção e diálogo entre forças políticas que se colocam no campo da oposição no Recife.

Foi este o impulso que nos levou ao diálogo com setores identificados como de direita na cidade. E aqui não há necessidade de pintá-los de outra cor. São sim, em minha concepção, de direita. Mas se houver nestes setores a honesta intenção de causar uma unidade de forças para fiscalizar com rigor o prefeito Geraldo Julio, não terão em nós um obstáculo. De nossa parte, porém, pleiteamos a contra partida do empenho da unidade também para garantir mecanismos de participação popular no processo de fiscalização do prefeito e de produção da legislação municipal, como Tribuna Popular, Comissão de Legislação Participativa e outros que permitam à sociedade civil debater e contribuir na definição de obras como a PPP da Compesa, Projeto de Navegabilidade no Rio Cabibaribe, revisão da Lei de Uso e Ocupação do Solo, Plano de Mobilidade e tantas outras.

Estamos ao mesmo tempo dialogando com setores saudáveis do PT, que discordam das posições hegemônicas deste partido, e outros que orbitam no campo que convencionamos chamar de esquerda. Com estes buscamos fortalecer uma unidade pela esquerda, campo político onde residimos e por onde pretendemos desenvolver ações de caráter mais estratégico. Contudo, a primeira medida deve ser a não unanimidade do projeto que governa Pernambuco e que agora governará também o Recife, ou seja, fortalecer a oposição.

Contudo, não basta a coragem para estar na oposição nesta quadra histórica em Recife e nem a disposição de diálogo entre forças que só encontram unidades pontuais. É preciso mobilização da sociedade por suas demandas, e é por isso que se faz necessário buscar fortalecer as mobilizações populares em defesa da saúde pública, da educação pública, das populações oprimidas da cidade, das juventudes que todos os anos protagonizam uma justa jornada de mobilizações em defesa do transporte público, em defesa dos direitos urbanos, etc. São estas mobilizações, organizadas politicamente, combinadas com a construção de um projeto político democrático e popular na cidade, que vão garantir que avancemos para uma fiscalização e oposição republicanas, com força e capilaridade social, que possa se materializar em uma cidade mais justa e equilibrada em todos os sentidos.

Presidente do PSOL-PE e 40º vereador do Recife através do Mandato Cidadão e Popular.

Nenhum comentário:

Postar um comentário